Para dirigente da FIA, púbico deverá se adaptar rapidamente ao novo som dos propulsores que serão utilizados no próximo ano

A temporada de 2013 ainda nem começou, mas o assunto nos bastidores da Fórmula 1 continua sendo sobre o campeonato de 2014. As regras de motores que serão utilizadas no ano que vem ainda estão dando o que falar. No entanto, desta vez os novos propulsores ganharam um defensor. Trata-se do diretor de provas da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Charlie Whiting.

Whiting crê que novos motores agradarão ao público

Desde que a nova regra foi aprovada, no fim de 2011, os novos motores vêm sendo bastante criticados por se tratarem de propulsores menos potentes e, consequentemente, com um som diferente do habitual. Os críticos afirmam que o público não irá gostar do barulho dos novos motores.

Na contramão das reclamações vindas dos dirigentes, Whiting afirmou que o som dos motores não será problema. Segundo o dirigente, o público irá se adaptar rapidamente às mudanças.“Em relação ao ronco, acho que as pessoas vão se habituar a isso muito rápido. Honestamente, quando eu penso no velho BMW de quatro cilindros que usávamos nos tempos de Brabham, aquele motor ia só a 11 mil rpm e tinha um som bacana”, contou o dirigente.

A grande dificuldade mesmo deverá ficar por parte das fornecedoras de motores. Segundo Charlie, a disputa para o desenvolvimento dos motores deverá ser bastante interessante.  “É um desafio grande, muito grande para as fabricantes. Estou ansioso para ver os motores correndo, para verificar o quão complicados e inteligentes eles são. Serão propulsores de tecnologia extremamente alta, isso com certeza”, concluiu.

Em 2013, a Fórmula 1 permanece com as mesmas regras utilizadas na temporada passada. A alteração nas regras dos motores, que deixarão de ser V8 aspirados para serem V6 Turbo, só acontecerá a partir de 2014.